Lançamento coberto de opções, vale a pena?

William Persch REMUNERAÇÃO DE AÇÕES COM LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES

Lançamento coberto, venda coberta ou financiamento com opções de compra, existem diversas maneiras para se referir a estratégia que vou abordar neste post.

Se você não sabe o que são opções, certamente vai ficar meio difícil para entender o post, porém a boa notícia é que existem diversos portais, canais do YoutTube que ensinam os conceitos básicos das famigeradas Calls e Puts.

Lá no passado eu fiz alguns lançamentos cobertos, que até me renderam algum lucro, precisamente R$ 1455,00, porém ao ser exercido com opções de compra do Banco do Brasil e a trabalheira que deu apurar imposto de renda e depois recomprar as ações (mesmo com um preço um pouco mais baixo) eu comecei a me questionar se fazia sentido eu continuar fazendo o lançamento coberto de calls.

Depois da experiência de ser exercido, veio uma mudança operacional da Bolsa que permitia que eu fosse exercido mesmo fazendo a compra para zerar minha posição vendida, antes da mudança eu lançava/vendia opções de compra e quando eu fizesse a compra de opções de compra a posição era revertida no mesmo dia, impossibilitando assim que eu fosse exercido. Após a mudança a reversão só é formalizada em D+1.

Vamos tentar exemplificar.
Em 01/02/2021 em lanço/vendo opções de compra, 1000 opções do Banco do Brasil.
No dia 10/02/2021 a ação subiu muito e eu decidi zerar minha posição, comprando 1000 opções do Banco do Brasil, com mesmo vencimento e strike das opções lançadas.
Porém a reversão da operação só vai ser formalizada pela B3, no dia 11/02/2021, então se a pessoa que está com o direito de comprar minhas ações decidir exercer seu direito em 10/01/2021 eu serei exercido mesmo com a tentativa de zerar minha posição.

O exemplo acima vale para opções americanas, as europeias só podem ser exercidas na data do vencimento. As datas são fictícias e foram utilizadas somente para dar uma dimensão de tempo.

Realmente o assunto não é tão simples, mas com um pouco de entendimento dos conceitos básicos a explicação acima pode ser entendida, pelo menos eu espero 😃.

Voltando ao objetivo do post, após eu ser exercido e a bolsa mudar o seu modelo de operação eu deixei de lado a estratégia de lançamento coberto de opções de compra.

Agora vamos a reviravolta, como meu patrimônio cresceu e a quantidade de ações na minha carteira também aumentou bastante eu estou começando a repensar senão vale a pena voltar a fazer o lançamento coberto.

Estou analisando senão é interessante voltar a fazer o lançamento coberto com apenas uma parte da minha posição, assim em caso de ser exercido a dor será menor.

A minha visão de trabalho para apurar imposto e recomprar as ações mudou um pouco, hoje já não parece que dá tanto trabalho assim.

Eu tenho quase 1600 ações da COGN3, então eu pretendo lançar apenas umas 300 opções fora do dinheiro e se vier a ser exercido eu utilizo a grana que vai entrar para ajustar minha alocação de ativos. Cheiro de rolo? Será? Lançando fora do dinheiro, ainda existe a possibilidade de recomprar com um valor menor após ser exercido. Sim tem cheiro de rolo, casino e jogo de azar!!!!

Lógico que a estratégia só irá funcionar se eu for exercido pouquíssimas vezes, então o lançamento tem que ser bem fora do dinheiro e em quantidades pequenas, mitigando o risco de ser exercido.

Ser exercido implica em pagar imposto de renda se tiver lucro, mesmo que a venda seja inferior a 20 mil reais no mês e a corretora também vai cobrar algumas taxas de você por causa do exercício.

Bons tempos em que o Troll e o Dimarcinho apareceriam por aqui para dar suas brilhantes contribuições sobre o tema.

Alguém ainda faz lançamento coberto de opções? Se você faz comente sua experiência aqui neste post.
Lançamento coberto de opções, vale a pena? Lançamento coberto de opções, vale a pena? Reviewed by Surfista Calhorda on 6:00 AM Rating: 5

11 comentários:

  1. Surfista, eu acho uma boa estratégia e em alguns casos você consegue 1% ao mês nesses lançamentos. Eu gosto de lançar com uma margem de 10 a 15%. O que faço no caso de ser exercido é colocar a grana no Tesouro Direto Selic em garantia e passo a vender PUT coberta, até ser exercido novamente para pegar as ações de volta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filipe eu já estou começando a pensar em utilizar uma puts para fazer financiamento na compra. Ao invés de comprar diretamente o ativo objeto, vendo put no dinheiro, coberta é lógico. E com uma parte da grana que entrar faço um segurinho comprando put fora do dinheiro com vencimento no próximo mês.

      Excluir
  2. Olá Surfista,

    Eu fazia venda coberta até o final do ano passado. Antes de dizer meu motivo em parar, para quem quer adotar essa estratégia, precisa se informar na corretora sobre os custos do exercício. Se não me engano, se a corretora cobrar taxa bovespa se prepare em deixar todo seu lucro para a bolsa.

    É uma facada!!!

    Bom, agora vamos ao meu motivo. Eu parei com as vendas cobertas pois no curso de opções que faço atualmente, tem muitas estratégias melhores.

    Vou assistir novamente a aula que diz respeito a isso e acredito que poste lá no blog. Acho que não terei problemas.

    Em resumo, a venda coberta funciona para ativos que não se mexem muito quando seu mercado de opções apresenta pouca liquidez. No caso da Petrobras, onde tem liquidez em quase qualquer strike, é tranquilo fazer venda coberta e rolar (rolar = recomprar a opção vendida e vender outra opção)

    Já no caso das outras opções, se o ativo se mexer 5% pra cima ou pra baixo, já complicado desmontar a operação ou mesmo rolar. Você vai no book e passa a não ver mais ofertas de compra e venda.

    No mais eu gostava muito. Só não continuo fazendo pois achei coisa melhor pra fazer com opções.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Investidor, o curso é online? Me passa a indicação?
      elenaosurfanada@gmail.com

      Excluir
  3. Esquece isso! Fiz mensalmente por 2 anos, defendi a operação, comprei briga com membros da Blogosfera, mas no final saí no zero a zero. Só perda de tempo e dor de cabeça. Até o Bastter, que foi o responsável por propagar essa operação voltou atrás e não fala mais disso, pois 100% das pessoas que seguiram as dicas dele levaram ferro grande, inclusive o saudoso Zé Mobral.

    Amigo, mantenha seu plano e mantenha tudo simples: trabalhar, poupar e reaplicar dividendos. Não inventa e nem tenta ser mais esperto que o mercado.

    El Rei (com preguiça de logar)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. El Rei, mas dá para fazer algumas coisas legais com opções, lógico que eu preciso dar uma estudada. Tem o seguro, o financiamento com venda de put.
      Vou fazer umas experiências, sempre com pouco dinheiro e risco controlado.

      Excluir
    2. Ficar com tempo sobrando pode fazer mal.

      Excluir
  4. Fazer essa operação com pouco dinheiro nem pensar mas com algo entre 200 e 300 mil com estratégia de dividir o capital é possível ganhar mais do que em FIIs e com risco muito menor que em FIIs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Painel, estou estudando para entender os riscos e fazer umas experiências práticas, quero chegar nessas operações.

      Excluir
  5. Olá Surfista interessante, antigamente fazia venda coberta, mas ultimamente estou vendendo put Descoberto com a intenção de comprar, da mais rentabilidade, a unica coisa que tem que deixar uma grana liquidada, mas ate então pra mim não tem problema, e faco por semana.

    Mas estou operando no mercado americano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anom, cheguei neste ponto, gostei dessa ideia. Mas eu estou fazendo sem me alavancar, sempre deixo o dinheiro de um possível exercício na agulha para sair comprando. Tô fazendo com ABEV3. Esse mês aí invés de comprar o ativo preocupado, eu vendi put no dinheiro. Mas foi um teste pequeno, quero ver como evolui.
      Valeu pelo comentário.

      Excluir

“Em tempos de embustes universais, dizer a verdade se torna um ato revolucionário.”
George Orwell

Tecnologia do Blogger.